Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

CAPA DO BLOG

FAVORITA DO DIA

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

O MISTÉRIO DAS PIRÂMIDES


Existem provas abundantes de que por volta de 4 ou 5 mil anos antes da era cristã, houve na terra uma civilização com conhecimentos imensamente superiores aos que te temos hoje. Alienígenas ou não, (talvez uma civilização nativa da terra, que desapareceu misteriosamente como outras civilizações terrestres) estes povos tinham conhecimento ou criaram meios de manipular duas realidades opostas. Na série "  Alienígenas do passado "  do canal History existem provas abundantes espalhadas pelo planeta, de que eles possuíam máquinas voadoras  e construíram aeroportos, como estações de embarque e abastecimento. As próprias pirâmides, seriam usinas de captura e distribuição da energia produzida pelos pólos magnéticos da terra e enviadas para naves em orbita terrestre. A ciência já sabe hoje. que existe uma segunda realidade a qual deram o nome de antimatéria, ainda em estudos, esta realidade pode revelar os maiores segredos da humanidade até então desconhecidos. Me chamou a atenção um desses documentários onde são mostrados desenhos de homens levantando pesados blocos de granito, como se não tivessem peso. Este blocos teriam em cima, uma  placa branca, semelhante a uma folha de papel, que indicariam qual bloco deveria ser movido. Segundo o canal, eles teriam conhecimento de alguma maneira de anular a força de gravidade. Mas para mim, a realidade pode ser  espantosamente simples. Se eles possuíam uma forma de manipular as duas realidades ao mesmo tempo, sabemos que ao nível da antimatéria a força de gravidade é nula ou talvez negativa, seria facílimo movimentar um bloco com milhares de toneladas, da seguinte forma: A partir da gravidade zero, movimenta-se o bloco sem a menor resistência, paralelamente na outra realidade, o pesado bloco movimenta-se, pois uma realidade está dentro da outra. Isto explica a marca branca sobre qual bloco será movimentado. Segundo o canal, eles deixaram uma mensagem codificada explicando muitas coisas que ainda não sabemos, pois ainda não se conseguiu traduzir tal mensagem. Assim também, o desaparecimento de cidades como Atlântida e de civilizações inteiras, também pode ser explicado. Elas simplesmente podem ter sido movidas até para uma terceira realidade, cuja existência ignoramos, sem deixar qualquer marca ou indicio de seu destino.
Significa que, alienígenas ou não, eles não foram embora ou se extinguiram, apenas mudaram de endereço. A verdade é que, se eles conheciam portais ou passagens  entre outras dimensões ou universos, é provável que algumas dessas  passagens permaneçam abertas, explicando de carona, os misteriosos desaparecimentos que ocorrem no Triângulo das bermudas e de aviões, objetos e pessoas que desaparecem sem deixar pistas.
Você pode ver vários documentários sobre o assunto. Basta digitar no campo de busca do Google, " Alienígenas do passado". Mas, cuidado verifique a origem do documentário. Existe muita bobagem e documentários falsos.


terça-feira, 6 de dezembro de 2016

MINHA VIDA BI-DIMENSIONAL


Sempre me questionei sobre o conteúdo de meus sonhos. De onde meu cérebro tira imagens de locais que me são familiares, mas, não se encaixam em nada que diga respeito a locais ambientes ou pessoas de minha vida. Muitas pessoas sonham com familiares já falecidos e dialogam com tais pessoas. Em meus sonhos com membros de minha família que já não vivem a bastante tempo, o fator morte não entra. Sonho sempre com eles vivos. Outra capacidade que possuo e que tenho questionado e seguidamente consulto outras pessoas a respeito, é a faculdade de ver imagens acordado e com os olhos fechados. De onde estas imagens vem? Por muito tempo me fiz esta pergunta e finalmente acho que encontrei a resposta.
Muitos ditos fenômenos sobre-naturais não podem ser explicados porque vivemos em um mundo material onde a existência de algo sobre-natural teria necessariamente que ser composto de partículas, pois que tudo o que existe é composto de partículas elementares. Já a algum tempo a ciência tem estado às voltas com a descoberta de partículas de comportamento estranho e portanto desconhecido. Mas desde que estas manifestações começaram a ser percebidas, com a descoberta da anti-matéria e suas características fundamentais, eu venho pesquisando e procurando interpretar cada nova matéria que surge a  respeito de tais descobertas.
Venho desde então tentando formular uma teoria capaz de explicar de uma só vez, todos estes fenômenos que atormentam a humanidade e para os quais não existem explicações lógicas. Tenho já escrito vários artigos sobre o assunto e na medida que surgem novas informações, procuro encaixá-las em minha teoria. Neste caso específico parto da premissa que a explicação não tem absolutamente nada de sobre-natural. Após muitas horas pesquisando e pensando o porque de tais comportamentos estranhos, chego a conclusão de que somos seres bidimensionais enquanto materialmente vivos. Isto é, nascemos paralelamente em duas dimensões. O famoso dejavu, é explicado como um lapso de tempo em que nos comunicamos com nosso sub-consciente que independe de passado ou futuro nas questões relativas ao tempo.

Desta forma, os meus sonhos ou os seus, são protagonizados pelo segundo eu que afinal reside dentro de nós, mas em uma outra dimensão. Considerando a dualidade de tudo, matéria x anti-matéria, chegamos a conclusão que é possível sim, que recebamos informações desta segunda dimensão através da comunicação com nosso sub-consciente enquanto dormimos, ou como no meu caso me permite ver imagens de pessoas, paisagens e objetos desta outra segunda dimensão, mesmo em estado alerta. Me intrigava o fato de seguidamente ver casas em meio a enormes árvores e vegetação alta. Tudo então começa a fazer sentido. Desde o porque que em meus sonhos, meus entes queridos que já nos deixaram, estão com aparência jovem e saudável e porque os ambientes me parecem familiares. É porque de alguma forma existe a familiaridade comprovando que somos seres duplos, pelo menos até que a morte acabe com nosso corpo material.