Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

IMAGEM DO DIA

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

MATRIZ E ARREDORES






PERAMBULANDO PELA PRAIA








AS ÁRVORES HORIZONTAIS DOS INGAZEIROS


 Não sei se devido as enchentes periódicas ou uma característica da espécie, estas árvores evoluem a partir de determinada altura, horizontalmente. Seja como for, a sombra abundante, é bastante apreciada.


GAROTAS ESQUEITISTAS DA PERIMETRAL



 Durante o trajeto, passei por 3 esqueitistas, todas do sexo feminino. Os marmanjos estão perdendo a vez?

FOTOGRAFANDO COM ISO ALTO

 Para quem não sabe, ISO, determinação da sensibilidade em fotografia, engloba a antiga norma americana, ASA e a alemã DIN. Significa que com ISO alto, obtemos maior velocidade de obturador, menor abertura do diafragma e por consequência, maior profundidade de foco e maior nitidez. Este ensaio foi todo feito com ISO alto. Espero que gostem do resultado.











quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

TELE X MACRO UM UNIVERSO DE ARTE

O tempo feio, nos confina e nos leva a contemplação de pequenos mundos que estão a nossa volta o tempo todo e nem nos damos conta. Ontem o tempo estava nublado, antes da chuva. Então foi um dia para explorar o macro mundo que revela uma arte que só existe na matéria que sobrevive ao tempo. Retalhos de história para pendurar na parede.
A teleobjetiva tem esse poder de trazer a imagem para perto. Uma especie de macro fotografia as avessas.
Pequenos universos presentes em retalhos de paredes antigas. Obras de arte que só encontramos aqui.
A jovem flor nascida nas profundezas de um monte de lixo.
Nas velhas dobradiças que já não servem, nos pequenos recortes de uma tábua antiga, pintada inúmeras vezes.

Nesta folhagem que a natureza parece ter usado um rolo de pintura para pintar o verde, mas, ficou com preguiça de terminar.

Nas diversas formas de vida que nascem nos lugares mais inusitados, como estes tomates, germinados literalmente em meio ao lixo.


Nas texturas e desenhos de paredes e pisos muito antigos.
Um quadro de Mabe? Ou apenas uma peça de plástico quebrado que alguém tentou soldar?
A água da chuva capaz de revelar a figura de um elefante.

A chuva caindo e revelando texturas incríveis.
 Mesmo aquele original descartado, com algum artificio pode virar arte.
Ou este retalho do cotidiano que temos vontade de pendurar na parede, por que não?